As pesquisas comprovam: Família é o segredo para mudar o futebol brasileiro

Todos nós já sabemos o que temos que fazer para aumentar a média de público nos estádios, aumentar o faturamento dos clubes e dos gestores das arenas além de diminuir a violência no local do jogo. A solução é óbvia: A família! As pesquisas comprovam estes números.

Os acontecimentos em Joinville durante a partida entre o Vasco e o Atlético-PR foram apenas mais um entre as dezenas de problemas graves que teimam em se repetir e os responsáveis pelo nosso futebol teimam em fechar os olhos. Não há mais condição de segurança para ir aos estádios sem que possamos punir estes bandidos claramente. Além de fichá-los e penalizá-los juridicamente falando, eles deveriam ser responsabilizados financeiramente. Eles são responsáveis pelo imenso prejuízo que os clubes e o futebol brasileiro estão tendo. Muitos clubes ainda insistem em dar dinheiro para as organizadas. Se os clube o fazem eles também deveriam ser punidos. Comprovado o pagamento para a torcida o clube já deveria ser punido antecipadamente.

Houve uma época em que eu também acreditava nas organizadas. Mais jovem eu mesmo já fui parte de algumas delas fora da minha cidade natal. Conheci muita gente bacana. A maioria das torcidas fora da cidade natal tem um ótimo comportamento. Mas hoje portar uma camisa de uma delas pode desencadear nos adversários uma reação absurda. Uma questão romântica em mim teimava em acreditar que haveria um caminho. Mas está claro que precisamos promover mudanças radicais. A suspensão de ida aos estádios aos indivíduos que causaram tumulto ou participaram de brigas  não serão o suficiente a meu ver para acabar com o histórico problema  social existente.  Uma enquete realizada pelo jornal Super Esportes mostrou que 96% dos cruzeirenses são a favor da extinção das torcidas organizadas.  A solução de tudo isso está nos bons exemplos. 95% dos torcedores querem levar suas famílias aos jogos se houvessem bons descontos, segundo uma pesquisa realizada pela Arenaplan Consultoria: “O Estádio do seu Clube” pela internet e pelas redes sociais, antecedendo o 1o Fórum de Gestão de Estádios e Arenas, que aconteceu no dia 03 de dezembro em São Paulo, organizado pela Arenaplan Consultoria e a Trevisan Escola de Negócios. 91% dos que responderam a pesquisa gostariam de chegar mais cedo se houvessem serviços de qualidade como bares, playground para as crianças e até salão de beleza para as mulheres. Durante o Fórum o presidente do Botafogo FR, Maurício Assunção mostrou que quase 40% do público entra no estádio Engenhão faltando menos de 30 minutos para o jogo. Em um jogo contra o Flamengo este índice chegou a quase 42%. Não há catraca suficiente para aguentar o fluxo de torcedores de última hora, o que formam filas enormes na entrada do estádio.pesquisa1
Muitos destes torcedores e suas famílias estão lá fora, tumultuando o trânsito no local, formando filas na entrada dos estacionamentos clandestinos que param o trânsito para entrada de um novo veículo. Está na hora de corrigir o absurdo que foi proibir o uso de bebida alcoólica nos estádios. Não é este o problema. Precisamos colocar para dentro das arenas as pessoas que querem se divertir. E a família pode ser o início de uma grande mudança. Depois desta organização podemos criar outros setores personalizados. Precisamos segmentar o público e criar áreas dentro das arenas apenas para as famílias. Estes setores deveriam permitir a entrada dos pais com seus filhos ou familiares pelo menos com até 4 ou 5 horas de antecedência. Os clubes podem cadastrar estas famílias pela internet para vender ingressos com benefícios especiais ou brindes e ainda deveria proibir a entrada de camisas de organizadas nestes setores. Não diga que isso não é possível de fazer. A tecnologia está aí para ajudar. Outro dado interessante da pesquisa mostra que 55% destes torcedores gostariam de ser sócios dos seus clubes e 79% teriam outro plano para cada membro da família se houvessem grandes descontos.
Isso tudo faria aumentar a frequência dos torcedores que apenas querem se divertir e ainda atrairiam mais mulheres para as arenas que em pesquisas anteriores ficou evidente que acessam os estádios em menor número. A família deveria ser o foco principal de nossos gestores de arenas e dos clubes. Toda a estratégia de mídia e planejamento de segurança deveriam ser voltados inicialmente para trazer este perfil de público para os estádios. Nossa mãe já recomendava para tomar cuidado com as más companhias e buscar nos relacionar com quem tem boa família. Esta sabedoria pode ajudar a melhorar o nosso futebol.
Márdel Cardoso é diretor da Arenaplan Consultoria. Gerente de projetos, bacharel em Ciência da Computação pela PUC-MG, MIT-Master Information Tecnology pela Fiap-SP, Gestão de Arenas pela Trevisan e Marketing Esportivo pela Uniara. Especialista em estudo de viabilidade financeira de arenas. Professor em Gestão de Projetos e Empreendedorismo pela Uninove de São Paulo. Autor de 2 livros. Idealizador do 1o Fórum de Gestão de Estádios e Arenas.
Twitter: @arenaplan
Facebook: http://www.facebook.com.br/arenaplanconsultoria Linkedin:http://www.linkedin.com/groups/Gerenciamento-Est%C3%A1dios-Arenas-Stadium-and-4894325?trk=my_groups-b-grp-v

Fonte: Arenaplan Consultoria
http://www.arenaplan.com.br/site/index.php/arena-pernambuco-da-exemplo-de-planejamento/143-a-familia-e-o-segredo-para-mudar-futebol

Deixe uma resposta